Como os pais podem falar com os filhos sobre o consentimento

0
167
mãe e filho

Quando nós, como pais, conversamos com nossos filhos adolescentes sobre sexo e relacionamentos, tendemos a abordar certos tópicos. Temos a tendência de falar sobre a importância de usar proteção e prevenção de infecções sexualmente transmissíveis e de adiar a gravidez e a parentalidade. Mas não tendemos a falar sobre consentimento: o que é, como dar e obtê-lo e o papel que desempenha não apenas nas interações com estranhos, mas também nos relacionamentos.

Nesta temporada de férias, como muitas famílias estão passando tempo juntas e conversando sobre relacionamentos, vale a pena considerar o consentimento como parte da discussão.

Embora a questão do consentimento tenha ganhado um perfil mais amplo nos últimos anos com o movimento #MeToo, a pesquisa mostra que ainda não se tornou um elemento padrão da “conversa sobre sexo” que os pais dão aos seus filhos adolescentes (geralmente e de preferência, uma série de conversas ao longo da adolescência e da idade adulta emergente). Em nosso estudo recente sobre como jovens de 21 e 22 anos conversam com seus pais sobre sexo e relacionamentos, menos da metade dos participantes relatou ter conversas familiares sobre consentimento. Quando falaram sobre isso, foi principalmente em referência a interações com estranhos em festas, ao invés de relacionamentos contínuos ou em situações familiares – consistente com o mito de que a maioria das agressões sexuais é cometida por estranhos.

Infelizmente, a maioria dos programas escolares de educação sexual também não aborda o consentimento. Então, como as crianças aprenderão a praticar o consentimento em suas vidas cotidianas?

A boa notícia é que as crianças estão começando a aprender sobre consentimento já na pré-escola. Em muitos programas de educação infantil, as crianças são ensinadas a fazer perguntas umas às outras como: “Você quer brincar comigo?” ou “Posso segurar sua mão?” Eles são ensinados a perceber se as outras crianças parecem infelizes e a perguntar durante um jogo: “Você quer parar?” Eles são lembrados de ouvir as palavras uns dos outros em relação aos seus corpos e como eles se tocam ou são tocados por outras pessoas (“Eu ouvi X dizer que eles não gostam disso”). A linguagem é poderosa, especialmente quando se trata de consentimento, por isso é importante aprender desde cedo a verbalizar os limites e praticar ouvir os limites dos outros.

Nessas situações, o consentimento é um simples ato de empatia: respeitar os outros, prestar atenção em suas expressões e ações e verificar o que eles querem e o que você deseja. Este ensino precoce em escolas e famílias pode estabelecer os alicerces para a confiança das crianças em seus direitos aos seus próprios limites e seu respeito pelos limites dos outros.

A novidade de nossa compreensão e reconhecimento do consentimento como uma questão fundamental significa que a maioria dos pais não cresceu aprendendo sobre o consentimento com suas próprias famílias e ambientes escolares.
Mesmo em tenra idade, no entanto, essas mensagens podem não ser simples e podem entrar em conflito com padrões e expectativas de longa data sobre como nos relacionamos uns com os outros. Por exemplo, muitos de nós pedimos a nossos filhos que abracem parentes ao vê-los, independentemente de nossos filhos quererem ou não. Recusar-se a abraçar um tio ou beijar uma tia pode criar situações embaraçosas para os pais, mas forçar os filhos a ter essas interações físicas quando não querem pode ensiná-los que não podem tomar decisões sobre seus próprios corpos.

Conforme as crianças entram na adolescência, é importante ajudá-las a desenvolver ainda mais sua compreensão do consentimento. Então, o que está nos impedindo, como pais, de colocar esse problema em primeiro plano? Bem, os pais muitas vezes modelam suas conversas com os adolescentes sobre sexo e relacionamentos de acordo com as mensagens que receberam de seus próprios pais. A novidade de nossa compreensão e reconhecimento do consentimento como uma questão fundamental significa que a maioria dos pais não cresceu aprendendo sobre o consentimento com suas próprias famílias e ambientes escolares. Essa falta de conhecimento e experiência faz com que falar sobre isso seja um desafio.

Outros parentes – como irmãos mais velhos, primos e tias e tios – por outro lado, costumam conversar com os adolescentes em suas vidas sobre consentimento. Em um estudo anterior, descobrimos que uma família extensa, geralmente irmãos mais velhos, identificou o consentimento como um dos tópicos mais importantes a serem discutidos com os adolescentes quando se trata de sexo e relacionamentos, o que eles relacionaram à falta de educação sobre o assunto e a importância de tratar os outros com respeito. Nesse estudo, a maioria dos participantes estava na casa dos 20 anos, o que sugere que pode haver uma diferença nas atitudes geracionais e nas abordagens do consentimento.

Isso não significa que os pais devam jogar a toalha quando se trata de conversar com nossos adolescentes sobre o consentimento. Só porque o assunto é novo para nós ou não temos um modelo em nossas próprias vidas de como falar sobre ele, não deve nos impedir de aprender como. Recursos úteis para todas as idades podem ser encontrados online, e parentes – especialmente irmãos e primos – podem ser ótimas fontes de apoio e conselhos sobre como abordar o assunto.

Por exemplo, podemos praticar o oferecimento de mais opções de consentimento e autonomia em situações familiares: dando aos filhos a opção de abraçar um membro da família, perguntando se eles querem um abraço ou um beijo em vez de apenas fazê-lo, ou explicando como e por que nós está tocando-os. Podemos encorajar as crianças mais velhas a falar sobre o que é bom e o que não é, e ensiná-las a parar de brincar de vez em quando para conversar umas com as outras. Com adolescentes e jovens adultos, podemos fazer perguntas como: “Como você pode saber se alguém está interessado em você?” e “Como você vai saber se está tudo bem em beijar alguém?” Com adolescentes e meninos em idade universitária e homens jovens em particular, é importante falar sobre o que é masculinidade e como podemos construir formas mais inclusivas dela.

Mais do que tudo, pode ser útil para os pais pensar no consentimento não como um campo minado, mas como uma questão diretamente relacionada à empatia, que muitos de nós discutimos com nossos filhos diariamente. Estar ciente dos sentimentos dos outros e ficar em sintonia com os nossos são habilidades sociais e emocionais que são úteis em muitas áreas da vida, desde relacionamentos pessoais até o local de trabalho. Ensinar nossos filhos a usar essas habilidades no contexto de todos os seus relacionamentos é uma maneira de prepará-los para estarem cientes e respeitarem seus próprios limites e os limites dos outros.

Fonte: https://rewirenewsgroup.com/article/2021/11/24/how-parents-can-talk-to-their-kids-about-consent/

Deixe uma resposta