Como parei de tentar controlar meu parceiro e assumi a responsabilidade por minha própria felicidade

0
135
mulher

Você tem tentado controlar seu parceiro sem perceber?

Você já justificou assumir as responsabilidades emocionais, relacionais, financeiras ou logísticas de seu parceiro com:

  • “Eu posso fazer melhor e/ou mais rápido, então é melhor eu mesmo fazer.”
  • “Eles não estão fazendo disso uma prioridade, então eu tenho que fazer o trabalho braçal para eles.”
  • “Eles não vão fazer isso sozinhos, então eu tenho que fazer isso.”
  • “Se eles não fizerem isso, eles terão que enfrentar as consequências. Eu não quero que eles tenham que lidar com isso.”
  • “Quero salvar o relacionamento, mas eles não querem participar, então farei o trabalho por nós dois.”

O comportamento controlador é uma marca registrada da codependência, mas a primeira vez que nos deparamos com a ideia de que estamos controlando, gaguejamos de indignação. Se estamos “ajudando”, “generosos”, “salvando-os de si mesmos” ou “fazendo isso por nossos relacionamentos”, muitos de nós não percebem que usamos várias táticas para influenciar o comportamento de nossos parceiros e manipular os resultados de situações.

COMO FOI OBRIGADO A LIDAR COM A MINHA CODEPENDÊNCIA

Como se de uma grande distância, eu podia ouvir meu parceiro dizendo que ele não estava feliz em nosso relacionamento⁠ – e não estava há um tempo, sem que eu soubesse.

“Ok,” eu disse lentamente, meu coração acelerado. “OK. Vamos conversar sobre como podemos trabalhar nisso.”

Minha mente já estava girando com táticas e planos. Ele apenas olhou de volta.

“Eu não quero trabalhar nisso”, respondeu ele, encolhendo os ombros frouxamente.

Eu tive uma escolha. Eu poderia levar suas palavras ao pé da letra e aceitar sua relutância. Ou, eu poderia tentar consertar nosso relacionamento quebrado sozinho. Meu medo da perda era tão forte que tentar consertar nosso vínculo quebrado parecia a única opção imaginável.

E assim eu fiz.

Todas as noites, eu ia dormir com um marcador e uma pilha de livros de autoajuda ao lado da minha cama. Falei sobre os medos de intimidade do meu parceiro na terapia e depois o arrastei para a terapia junto comigo. Criei um quadro escrito de “regras de argumentação” para seguirmos quando agitados.

Passei dois longos meses efetivamente brincando de Deus, certo de que meus métodos nos levariam direto para uma velhice satisfeita.

Então, quando meu parceiro finalmente terminou comigo no primeiro dia das férias anuais de verão da minha família, percebi que meu senso de controle não passava de uma ilusão o tempo todo.

“Você tem medo de se render porque não quer perder o controle. Mas você nunca teve controle; tudo o que você tinha era ansiedade.”

-Elizabete Gilberto

Isso foi há três anos. Na época, se você me perguntasse o que eu achava que estava fazendo, a resposta seria simples: estou tentando salvar nosso relacionamento. Mas a verdade é que eu estava tentando controlar os sentimentos e escolhas do meu parceiro para obter o resultado desejado. Eu estava trabalhando horas extras na esperança de que seus sentimentos e comportamentos em relação a mim mudassem.

Como minha anedota ilustra, muitos de nós tentamos controlar os outros para que satisfaçam nossas próprias necessidades. Isso é especialmente verdadeiro se lidamos com a codependência ou temos um estilo de apego ansioso. A terapeuta de casamento e família e especialista em codependência Darlene Lancer explica:

“Em vez de assumir a responsabilidade pela própria felicidade, o que seria empoderador, o foco dos codependentes é externo. Em vez de atender às suas necessidades diretamente, eles tentam exercer poder sobre os outros e controlá-los para se sentirem bem por dentro. Eles pensam: ‘Eu vou mudá-lo (ou ela) para fazer o que eu quero, e então serei feliz.’ Esse comportamento é baseado na crença errônea de que podemos mudar os outros.”

AVALIANDO SEUS COMPORTAMENTOS DE CONTROLE

Você pode estar inconscientemente tentando controlar seu parceiro se fizer qualquer um dos seguintes.

Fazer pelos outros o que eles podem e devem fazer por si mesmos

Como adultos independentes, somos singularmente responsáveis por nosso próprio bem-estar físico, emocional, social e financeiro:

  • Mantendo a saúde física.
  • Aderindo às rotinas.
  • Mantendo contato com amigos e familiares.
  • Assumir a responsabilidade financeira pelas compras.

Se você se encontra regularmente assumindo a responsabilidade pelos relacionamentos, bem-estar, finanças ou outras coisas de seu parceiro, pergunte a si mesmo: por que estou fazendo isso? Qual é o meu motivo aqui?

Você espera que seu parceiro se sinta dependente de você para que ele nunca vá embora? Você está tentando proteger seu parceiro de enfrentar as consequências de seus comportamentos? Você está tentando compensar o que acredita ser os déficits do seu parceiro?

Ajudar os outros a evitar as consequências negativas de seus comportamentos

Quando tentamos mitigar as consequências negativas das ações irresponsáveis ​​dos outros, roubamos deles oportunidades de crescimento e aprendizado. Você já tentou mitigar as consequências quando seu parceiro agiu no vício, em uma explosão de raiva ou em algum outro comportamento irresponsável? Nesse caso, você pode pensar que está sendo “útil” ou “gentil”, mas, na realidade, está permitindo a irresponsabilidade do seu parceiro. Sem experimentar consequências negativas, as pessoas que se envolvem em padrões destrutivos são muito menos propensas a mudar.

Também ajudamos nossos parceiros a evitar consequências negativas quando nos recusamos a expressar raiva, tristeza ou desconforto justificados com suas ações. Quando evitamos compartilhar nossos sentimentos por medo de ferir seus sentimentos, estamos apenas gerenciando seus sentimentos ⁠ – e esse não é o nosso trabalho.

Um dos meus conselheiros favoritos, Jordan Pickell, coloca desta forma: “Ao estabelecer um limite, você não precisa suavizar a tensão. Você não precisa proteger as pessoas de se sentirem desconfortáveis. Faz sentido que as pessoas se sintam mal e estranhas quando cruzam uma linha”.

Fazendo ameaças vazias disfarçadas de limites

Os limites são declarações do que iremos ou não tolerar. O objetivo de um limite não é mudar o comportamento do outro, mas criar segurança e integridade para nós mesmos. Para que um limite seja genuíno, você deve estar pronto para impor o limite quando ele não for respeitado. Caso contrário, é apenas uma ameaça vazia: uma tentativa de fazer com que outra pessoa aja do seu jeito em seus termos.

Por exemplo, você diz ao seu parceiro: “Se você não começar a me tratar com mais gentileza, vou deixá-lo”. Se o seu parceiro continuar a tratá-lo mal, você precisa estar pronto para deixar esse relacionamento⁠ – porque, se não o fizer, seu “limite” foi apenas uma tática para mudar seu parceiro sob falsos pretextos.

Tentar “curar” ou mudar os outros quando eles não desejam mudar a si mesmos

A mudança é um trabalho interno. Podemos apoiar ou atrapalhar as jornadas de cura dos outros, mas não podemos fazer a jornada por eles. Para curar, é preciso estar disposto a curar.

Se alguém não está disposto a largar um vício, não podemos educá-lo para parar. Se alguém não está pronto para lidar com seu trauma, não podemos forçá-lo a se curar. Se alguém carrega uma bagagem pesada de seu passado, não podemos arrancar essa bagagem de suas mãos.

Podemos apoiar sua jornada e ajudar ao longo do caminho se eles tiverem vontade de crescer. Mas não podemos plantar uma semente de boa vontade para outra pessoa.

Meu parceiro declarou claramente sua relutância em trabalhar para consertar o relacionamento, mas isso não me impediu de comprar livros de autoajuda, levá-lo à terapia e usar todas as ferramentas da minha caixa de ferramentas para fazê-lo mudar nos meus termos.

Envolvendo-se em comportamento de protesto

Quando nosso parceiro não pode ou não quer nos dar a profundidade de conexão que buscamos, podemos recorrer ao comportamento de protesto. Comportamentos de protesto são tentativas de obter reações de nosso parceiro – reações que, mesmo que momentaneamente, criarão um sentimento de conexão. Os comportamentos de protesto incluem coisas como reter intencionalmente a comunicação, reter sexo, tentar deixar um parceiro com ciúmes ou ameaçar terminar o relacionamento.

Os comportamentos de protesto não são motivados por um desejo genuíno: não desejamos genuinamente não estar em contato, não desejamos genuinamente terminar o relacionamento, não queremos genuinamente nos envolver com outra pessoa fora do relacionamento. O que queremos é que nosso parceiro mude a forma como interage conosco, e acreditamos que esses comportamentos facilitarão essa mudança.

O livro Attached: The New Science of Adult Attachment é um bom recurso para ler mais sobre comportamentos de protesto e outras questões de apego que influenciam comportamentos controladores.

Tornar os outros singularmente responsáveis pelo seu estado emocional

Quando meu ex e eu brigamos, fiquei inconsolável. Na conclusão de cada discussão, eu tinha certeza de que ele me deixaria. Ele precisava de tempo e espaço para se recentralizar, mas minha ansiedade era tão forte que me recusei a dar-lhe esse espaço. Com soluços guturais e súplicas temerosas, exigi sua garantia, que ele deu de má vontade.

Em retrospectiva, fica claro como usei minhas explosões emocionais para garantir a atenção do meu parceiro quando ele não estava disposto a dar voluntariamente. Em vez de entender que nós dois éramos responsáveis por satisfazer nossas próprias necessidades naquele momento – ele tomando espaço, eu me acalmando – criei condições nas quais ele se sentiu pressionado a abandonar suas próprias necessidades para priorizar as minhas.

A SOLUÇÃO ESTÁ DENTRO DE VOCÊ

Se você usou as táticas acima consciente ou inconscientemente, você não está sozinho. Muitos de nós tiveram que liberar nossas ilusões tóxicas de controle. À medida que avançamos, devemos aprender o que realmente está em nossa esfera de controle – e aprender a viver estritamente dentro dessa esfera.

Para liberar minha ilusão de controle e assumir a responsabilidade por minha própria felicidade, praticar os seguintes hábitos em meus relacionamentos me deu o maior alívio:

Faça uma lista das coisas que estão sob seu controle e uma lista das coisas que não estão.

Em sua lista “Eu posso controlar”, certifique-se de incluir suas ações, suas reações, as palavras que você diz, os limites que você estabelece e a quantidade de tempo que você gasta. Em sua lista “Não posso controlar”, certifique-se de incluir as ações e reações dos outros, os sentimentos dos outros, os relacionamentos dos outros e assim por diante.

Achei particularmente útil incluir estes na minha lista:

  • Posso controlar se expresso ou não minhas necessidades e como as expresso. Não posso controlar se os outros atendem ou não às minhas necessidades.
  • Posso controlar se estabeleço ou não limites em torno de um comportamento intolerável. Não consigo controlar o comportamento intolerável dos outros.
  • Posso controlar até que ponto escolho me curar do meu passado. Não posso controlar a vontade ou a capacidade dos outros de curar e crescer.

A princípio, liberar a ilusão de controle parece aterrorizante. Afinal, o controle tem sido nossa maneira de gerenciar o mundo ao nosso redor e criar uma sensação de segurança para nós mesmos. Quando revisei minha lista pela primeira vez, me perguntei: O que acontecerá se eu não controlar isso? Tudo vai desmoronar ao meu redor?

Por trás desse medo, porém, havia uma liberdade que eu não havia previsto. Olhei para a coluna de itens que não conseguia controlar e percebi quanto tempo passava, todos os dias, tentando gerenciar, manipular e influenciar os outros. Eu coloquei um esforço incrível para fazer os outros felizes quando eles estavam tristes. Usei infinitas linhas de raciocínio para aliviar a culpa dos outros por coisas que eles disseram e fizeram. Fiquei azul no rosto jorrando instruções sobre como pagar uma conta corretamente, como parar de ficar bêbado e como consertar relacionamentos rompidos com membros da família. Eu estava totalmente convencido de que se eu dissesse minha peça de uma maneira perfeitamente convincente, poderia fazer com que os outros agissem do meu jeito.

Quando abandonei essas tentativas infrutíferas de controle, recuperei horas do meu tempo. Com esse tempo recém-descoberto, pude…

Reorientar em suas próprias necessidades, desejos e paixões.

Na dúvida, volte para casa para si mesmo. Ao assumir a responsabilidade de satisfazer suas próprias necessidades e perseguir suas próprias paixões, você se verá muito menos propenso a tentar controlar os outros.

Não sabe por onde começar? Para cada item da sua lista “Não posso controlar”, crie uma maneira alternativa de gastar essa energia que centralize seus próprios desejos e paixões. Aqui estão algumas das maneiras pelas quais minhas prioridades mudaram ao longo do tempo, de coisas que eu não deveria estar tentando controlar para coisas que eu poderia:

  • Ajudando meu parceiro a progredir na carreira → avançando na minha carreira
  • Tentando fazer com que meu parceiro vá à terapia por causa de sua bagagem → indo à terapia por codependência
  • Ajudando meu parceiro a consertar seu relacionamento com os membros da família → consertando meus próprios relacionamentos com os membros da família
  • Implorando ao meu parceiro para me acalmar e me tranquilizar → aprender técnicas cognitivas e somáticas para me acalmar

Como resultado dessas mudanças, minha carreira avançou, minha resiliência cresceu, meu relacionamento com os familiares melhorou e acumulei um arsenal de mecanismos de enfrentamento que utilizo até hoje. Foi incrível quanto tempo, espaço e energia ficaram disponíveis para mim quando eu não estava mais tentando mudar alguém.

Pergunte antes de oferecer ajuda — e aceite a resposta na primeira vez.

A ajuda pode ser útil se for dada livremente sem amarras. Se você tem uma tendência ao excesso de controle, no entanto, pode ter um histórico de oferecer ajuda para engendrar o favor de alguém, fazer alguém agir de uma determinada maneira ou manipular uma situação para alcançar o resultado desejado.

Comece a perguntar antes de oferecer ajuda. Simplifique: “Você gostaria de ajuda com isso?” Se eles não querem sua ajuda, não dê. Se sua oferta for rejeitada, evite a compulsão de perguntar: “Você tem certeza?” Uma vez que a pergunta foi feita e respondida, é hora de seguir em frente.

Foi muito difícil para mim deixar de oferecer “ajuda” aos meus entes queridos na esfera emocional. Pode não surpreendê-lo saber que li muitos livros sobre psicologia e relacionamentos. Historicamente, quando entes queridos incorporavam um comportamento que eu havia encontrado em uma leitura recente, eu aproveitava a oportunidade para analisá-los, dissecar sua história familiar e oferecer sugestões de cura.

Agora, em vez de bancar o terapeuta sem o consentimento deles, digo: “O que você está descrevendo parece algo que tenho lido ultimamente. Você quer ouvir a conexão?” ou “Encontrei um artigo que descreve o tipo de família em que você cresceu. Quer que eu envie para você?”

Para minha surpresa (o nerd de psicologia que sou), na maioria das vezes, a resposta é um “talvez” indiferente ou um simples “não”. Acontece que poucas pessoas gostam de fazer terapia fora dos limites seguros do consultório de um terapeuta legítimo.

No início, a recusa deles me desconcertou e me insultou. Eles não têm ideia do quanto essa informação pode ajudá-los! Eu fumei silenciosamente. Eles não devem se preocupar com sua cura ou crescimento pessoal. Eles não devem confiar que eu sei do que estou falando.

Essa maneira de pensar impôs meu sistema de valores pessoais aos outros. Eu esperava que eles reagissem da maneira que eu reagiria, e quando eles não reagiram, derramam meus julgamentos!

Com o tempo, percebi que o que para mim parecia um exercício intelectual fascinante pode ter parecido esmagador, dolorosamente vulnerável ou intrusivo para meus entes queridos. Em última análise, aceitar a recusa dos outros à minha ajuda significava confiar em seu próprio processo de tomada de decisão e honrar sua própria autonomia – algo que é notoriamente desafiador para pessoas codependentes em recuperação fazer.

Quando estiver em perigo, concentre-se em como você pode se acalmar.

Como minha história anterior demonstrou, tentei controlar meu parceiro porque o tornei responsável por minha felicidade e por acalmar minha angústia. Um passo crítico para quebrar o padrão de supercontrole foi aprender a me acalmar e assumir a responsabilidade por meu próprio estado emocional.

Agora, quando me sinto angustiado, em vez de pedir ajuda imediatamente ao meu parceiro, pratico as seguintes técnicas de auto-calmante:

  • Quando me sinto à beira de uma poderosa reação emocional, dou-me permissão para ficar em silêncio com o sentimento. Coloco a mão diretamente no coração, percebo onde a sensação mora em meu corpo e espero que meu pulso diminua. “Inclinar-se” para a sensação física que acompanha a dor emocional é um princípio central do modelo de experiência somática do Dr. Peter Levine, que tem sido um recurso incrível para mim em minha prática de auto-calmante.
  • Se estou na presença de outras pessoas quando surge uma forte emoção, levo alguns minutos ou mais para ficar totalmente sozinho. Se eu precisar de mais espaço⁠ — digamos, uma noite para mim⁠ — eu aceito.
  • Se eu precisar de apoio de outra pessoa, tenho uma lista restrita de amigos e familiares confiáveis para quem posso ligar. Eu sei que há muitas pessoas disponíveis que podem me tirar de um lugar emocional sombrio. Meu parceiro não é o único capaz de me ajudar.

Essas técnicas não apenas diminuíram minha dependência do meu parceiro, mas também incutiram em mim um profundo senso de resiliência. Em vez de me sentir uma vítima diante de um tufão emocional, eu sabia que tinha os recursos internos de que precisava para enfrentar a tempestade.

Quando alguém lhe disser que não está disposto a trabalhar em um problema, acredite.

Como Maya Angelou disse: “Quando alguém te mostrar quem é, acredite na primeira vez”. Se eu tivesse aceitado a declaração do meu ex-parceiro de que ele não estava disposto a trabalhar em nosso relacionamento, eu teria me poupado de dois longos meses de tentativas infrutíferas de fazê-lo mudar de ideia – e dois longos meses de mágoa.

Acabei aprendendo que, para que um casal resolva um problema de relacionamento, ambas as partes devem estar dispostas a fazer sua parte. Isso exige que ambas as partes reconheçam o papel que desempenham na disfunção e tomem medidas concretas para mudar seus hábitos.

A menos que uma pessoa esteja convencida de que está disposta a mudar, assuma que como ela está agora é como ela será. Sendo esse o caso, considere: Se essa pessoa não mudar, este é um relacionamento em que eu serei feliz?

Lembre-se: você não pode curar a ferida de outra pessoa. Você não pode carregar a bagagem de outra pessoa. Seus esforços não podem transformar uma pessoa emocionalmente indisponível em uma pessoa emocionalmente disponível.

Achei útil construir uma lista de itens não negociáveis ​​que sirvam como rubrica quando estou debatendo se um relacionamento é saudável o suficiente para eu manter. Meus inegociáveis ​​são qualidades e comportamentos que absolutamente devem, ou absolutamente não devem, estar presentes em meu parceiro.

Os meus incluem o óbvio – sem violência física, sem abuso emocional e sem coerção sexual – bem como a vontade de trabalhar em momentos difíceis, senso de humor e expressões regulares de amor e carinho.

Aprenda a dizer não. Pratique diligentemente.

Apesar de nossa esperança de que nossos parceiros antecipem nossas necessidades intuitivamente, muitas vezes esse não é o caso. Mesmo o amor mais feroz não pode transformar nossos parceiros em leitores de mentes. É nossa responsabilidade comunicar nossos limites e dar aos outros a oportunidade de responder de acordo. Se não o fizermos, podemos cair em velhos hábitos de tentar controlar os outros para atender às nossas necessidades.

Os limites são uma forma de autodefesa verbal. São mecanismos de proteção que mantêm a integridade de nossos mundos internos, ao mesmo tempo em que bloqueiam pessoas, lugares e coisas que consideramos inaceitáveis. Podemos estabelecer limites em torno de nossos corpos físicos, nosso tempo, nossas posses, nossa comunicação com os outros e muito mais.

Não tem certeza de onde pode precisar definir um limite? Considere quando e onde você se sente ressentido. Literalmente definido como “amarga indignação por ter sido tratado injustamente”, o ressentimento surge quando outros ultrapassam nossos limites falados ou não.

Depois de identificar seu ressentimento, você pode definir um limite com a pessoa em questão. Para aqueles de nós que são novos na comunicação direta de nossas necessidades, encontrar a linguagem certa geralmente é a parte mais difícil. Como descrevo em meu artigo “Como definir um limite desafiador do início ao fim”, minha estrutura favorita para o estabelecimento de limites é a abordagem “declaração-eu” desenvolvida pelo psicólogo clínico Thomas Gordon em 1970. Eu aprecio esse modelo porque ele centraliza sentimentos e experiências do definidor de limites, reduz a probabilidade de defesa no ouvinte e oferece sugestões concretas para mudança.

A abordagem inclui quatro partes simples:

Eu sinto _____________________________.
Quando você _________________________.
Porque ___________________________.
Eu preciso ____________________________.

Os limites que seguem este modelo podem soar como:

  • “Shelley, me sinto aproveitada quando você me pede para tomar conta de seus filhos mais de duas vezes por mês, porque torna mais difícil priorizar outras coisas que me importam. Preciso que você encontre babás adicionais porque não posso arcar com essa responsabilidade sozinha.
  • “Steven, me sinto sobrecarregada quando você me manda uma mensagem porque não tenho tempo ou espaço para essa conexão agora. Preciso de algum espaço.”
  • “Pai, me sinto desconfortável quando você me pede para acompanhá-lo à igreja porque não se alinha com minhas crenças espirituais. Por favor, não me pergunte novamente para que eu possa tomar minhas próprias decisões sem pressão ou culpa.”
  • “Fico chateado quando você empresta minhas ferramentas sem pedir porque eu faço jardinagem regularmente. Eu preciso que você pergunte antes de pegar minhas ferramentas emprestadas no futuro.”

Você pode adaptar esse idioma para se adequar ao seu próprio estilo ou tom de conversação.

A princípio, as táticas que sugeri neste artigo podem parecer um fardo pesado. Eu sei que eles fizeram por mim. Quando comecei a me recuperar da co-dependência, estava tão acostumada a obter meu senso de poder controlando os outros que a ideia de assumir a responsabilidade por mim mesma parecia avassaladora.

Em seu livro The Language of Letting Go, Melody Beattie oferece quatro perguntas poderosas que me deram a inspiração e a motivação que eu precisava para começar. Vou deixar você com eles.

Ela escreve:

“Se não estivéssemos tentando controlar se uma pessoa gosta de nós ou sua reação a nós, o que faríamos diferente?

Se não estivéssemos tentando controlar o curso de um relacionamento, o que faríamos diferente?

Se não estivéssemos tentando controlar o comportamento de outra pessoa, como pensaríamos, sentiríamos, falaríamos e nos comportaríamos de maneira diferente do que fazemos agora?

O que não nos permitimos fazer enquanto esperamos que a abnegação influencie uma determinada situação ou pessoa?

Faça uma lista e depois faça.

Fonte: https://www.gottman.com/blog/how-i-stopped-trying-to-control-my-partner-and-took-responsibility-for-my-own-happiness/

Avalie este post

Deixe uma resposta