Lidando com ser um fetiche – The Trans Take

0
242
bandeira trans
Protest for Trans Rights, Humphrey Building, Washington, DC USA

Eu cresci em um mundo onde nunca vi ninguém como eu na tela. Sempre senti que minhas experiências são isoladas e só minhas. Sentada em salas de teatro, tenho sonhado com romance, amor, casamento, luxúria e acreditando que vou conseguir tudo o que a heroína do filme é tão facilmente valiosa para si mesma, ou até mesmo as mulheres ao meu redor. Crescendo, homens e meninos gostavam de mim. Eu chamei atenção. Fui perseguido, cortejado, beijado, prometido e depois transformado em fantasma. Um ciclo sem fim, até que a realização o atingiu com força. Eu sou trans *. Sou mulher por motivos pessoais e políticos. E sendo predominantemente heterossexual e feminina, apresentar minhas aspirações em torno do amor romântico foi condicionado em mim como algo que eu deveria mais precisar na minha vida.

Eu busquei amor, romance e estabilidade. Tenho procurado relacionamentos com homens para me sentir validada. Mas não mais. O motivo vem tanto da autoconsciência quanto do trauma. Percebi que meu corpo é o lugar de curiosidade de muitos homens heterossexuais. Sou fetiche, sou prazer proibido, sou desejo, mas não sou o status quo e a validação que esses homens procuram neste mundo cis-heteropatriarcal. Sou explorar, sou uma descarga de adrenalina, sou uma aventura, mas não sou estabilidade, saudade ou companheirismo. Minha busca pelo amor me despertou, meu trauma me incitou a examinar meus próprios desejos e como a heteronormatividade os moldou.

Se alguém tem que lucrar com meu trauma, é eu e somente eu. Os homens me desejam e eu os desejo. Eu faço sexo com eles, mas não os vejo como pessoas; apenas ferramentas para sentir prazer. Já me sinto culpado por isso há muito tempo. Eu senti que há algo errado comigo, ou melhor, sou desumano. Estou cometendo a mesma violência contra os homens que enfrento, e estou enfrentando constantemente até agora. Mas é realmente assim? Os homens cis het também têm que navegar por um sistema que constantemente tenta explorá-los, oprimi-los e apagar suas experiências? Estou sendo violento ou estou sobrevivendo e me protegendo do abandono mental, emocional, sexual e físico? O prazer é algo que muitas vezes é exigido de mim, de graça, sem retorno. Se os homens fetichizam minha anatomia, que seja, se no processo eu for capaz de receber prazer, não me importo. Se os homens acreditam que todas as mulheres trans * são profissionais do sexo, que seja, se eu puder me beneficiar com o processo. Não é minha responsabilidade educar ninguém; não é meu trabalho assumir.

Muitas vezes as pessoas me perguntam para que vivo, qual é o meu propósito. Meu propósito pode ser muitas coisas e muitas coisas, mas definitivamente não é reviver meu trauma continuamente no processo de educar as pessoas. Minhas experiências vividas me deram conhecimento, mas isso precisa ser pago e reconhecido. “Eu vivo para a euforia” tem sido minha resposta a muitas pessoas que já me perguntam sobre amor, luxúria e relacionamentos há algum tempo. Não estou completamente livre dos condicionamentos heteropatriarcais, nem é possível ficar quando o mundo ainda não é feminista. Quero namorar, quero me sentir desejada e encontrei meu caminho. Eu preciso de homens para me sentir bem comigo mesma, para me sentir validada, mas não preciso deles para companheirismo. Um amigo recentemente me disse que a hiper-independência é uma resposta ao trauma, e eu concordo. Mas a verdade é que dependo de muitas pessoas como minhas irmãs, meus amigos, minha família preferida. Com a dependência, vem o sofrimento junto com o cuidado. E estou pronto para levar o bom e o mau, mas apenas para aquelas pessoas para quem minhas experiências são válidas e que compartilham solidariedade comigo. Somente para aquelas pessoas para as quais não tenho que racionalizar constantemente minha identidade e para as quais sou uma pessoa além do meu corpo e gênero.

Estou prosperando de todas as maneiras possíveis e tenho orgulho disso. Nem sempre estou certo e nem curei. Todas essas são minhas realidades simultâneas e podem existir juntas. Desejo um mundo melhor onde tenho mais do que posso ter agora? Sim! Eu faço. Quero leis mais profundas para proteger meus direitos civis e com isso quero mais algumas coisas. Eu quero gritar, para que o mundo saiba que eu sou capaz de imaginar, mas não sou uma imaginação. Tenho poder e exijo respeito, não culto ou ser colocada num pedestal, não sou uma deusa, uma fantasia, um regalo, uma boca e um cuzão. Sou humana, sinto, respiro, desejo, amo, preciso e quero. Este não é um choro desesperado e lamentação por não ter, é deixar o mundo saber que mereço tudo isso e somente quando o mundo for capaz de me fornecer em abundância eu devo ser responsabilizado. Eu não pertenço, portanto, não vou justificar quando digo que ‘os homens são um lixo’ assumidamente. Assinando com raiva, orgulho e, claro, amor.

Fonte: https://gaysifamily.com/lifestyle/dealing-with-being-a-fetish-the-trans-take/

Deixe uma resposta