Bandeira LGBT

Quer você esteja celebrando o Orgulho em SP ou em qualquer outro país do mundo, você verá todo tipo de bandeiras – e não apenas aquelas do tradicional arco-íris. Há muitas sexualidades no espectro do queer, e identificamos as bandeiras para cada uma delas. Perdemos alguma? Informe-nos nos comentários.

Gilbert Baker Bandeira do Orgulho

Gilbert Baker Bandeira do Orgulho

Em 1977, Harvey Milk desafiou Gilbert Baker, um veterano que se ensinou a costurar, a criar um símbolo de orgulho para a comunidade gay. Sua resposta? A bandeira original do Orgulho. Inspirada no “Over the Rainbow” de Judy Garland, estas cores voaram na comemoração do Dia da Liberdade Gay de São Francisco, em 25 de junho de 1978. Embora alguns discutam se Baker foi o único criador da bandeira que deu início a tudo isso, seu simbolismo permanece. Cada cor celebra um aspecto do Orgulho de Bichos-da-São Francisco:

  • Rosa = Sexo
  • Vermelho = Vida
  • Laranja = Cura
  • Amarelo = Luz solar
  • Verde = Natureza
  • Turquesa = Magia/Arte
  • Índigo = Serenidade
  • Violeta = Espírito

1978-1999 Bandeira do Orgulho

1978-1999 Bandeira do Orgulho

Após o assassinato de Harvey Milk, muitos queriam a bandeira do Orgulho que ele encomendou para comemorar suas conquistas para a comunidade e seu apoio pessoal. A demanda era maior do que o tecido disponível, então a Paramount Flag Company começou a vender esta versão da bandeira, assim como Gilbert Baker, que teve dificuldades para obter o tecido rosa quente.

Bandeira Tradicional do Orgulho Gay

Bandeira Tradicional do Orgulho Gay

Esta é a bandeira mais familiar. Em 1979, a comunidade pousou nesta versão em seis cores, que foi pendurada em postes de luz em São Francisco. Numerosas complicações por ter um número ímpar de cores levaram à queda de turquesa, pelo menos de acordo com relatos.

Philadelphia People Of Color Inclusive Flag (Povo da Filadélfia com Bandeira Inclusiva de Cores)

Philadelphia People Of Color Inclusive Flag (Povo da Filadélfia com Bandeira Inclusiva de Cores)

Observando que os homossexuais de cor muitas vezes não são totalmente incluídos na comunidade LGBT, a cidade de Filadélfia acrescentou duas cores – preto e marrom – à bandeira do Orgulho em sua homenagem. A cidade havia enfrentado anteriormente acusações de discriminação racial em seus bares gays, o que levou 11 locais queer da vida noturna a fazer treinamento anti-racismo. Muitos homens brancos ficaram indignados com a bandeira, alegando que o arco-íris inclui todas as cores de pele, mas com uma estrela como Lena Waithe fazendo o mesmo na Gala Met, parece que o desenho está aqui para ficar.

Bandeira do Orgulho do Progresso

Bandeira do Orgulho do Progresso

Esta nova bandeira procura levar a abordagem inclusiva da Filadélfia um passo adiante. Daniel Quasar, que se identifica como bicha e não binário, projetou esta bandeira. O branco, rosa e azul claro refletem as cores da bandeira transgênero, enquanto as listras marrons e pretas representam as pessoas de cor e as perdidas pela AIDS. “Quando a bandeira Pride foi recriada no ano passado para incluir tanto as listras pretas/castanhas quanto as listras trans incluídas este ano, eu queria ver se poderia haver mais ênfase no design da bandeira para dar mais significado a ela”, explicou Quasar em seu Kickstarter.

Bandeira Bissexual

Bandeira Bissexual

Projetada por Michael Page, a bandeira traz visibilidade para a comunidade bissexual, mostrando a sobreposição das cores estereotipadas para meninos e meninas. A bandeira foi inspirada por um símbolo mais antigo da bissexualidade: os “biangles”, dois triângulos sobrepostos rosa e azul-escuro.

Orgulho Pansexual

Orgulho Pansexual

Criada na web em 2010, esta bandeira tem cores que representam o interesse da pansexualidade em todos os gêneros como parceiros. A rosa representa as mulheres, a amarela não binária e não-conforme com o gênero, e a azul é para os homens.

Bandeira assexuada

Bandeira assexuada

Assim como a bandeira pansexual, a bandeira assexuada foi criada em 2010. Inspirada no logotipo da Asexual Visibility and Education Network, ela representa muitas identidades de ás, incluindo os transexuais cinza (a área fluida entre os sexuais e os assexuais) e os demisexuais (pessoas que não sentem atração sexual a menos que tenham uma conexão emocional com seus parceiros).

Labrys Bandeira do Orgulho Lésbico

Labrys Bandeira do Orgulho Lésbico

Curiosamente, este símbolo sáfico foi criado por um homem. Criada em 1999 pelo designer gráfico gay Sean Campbell, a bandeira não ganhou muita tração na comunidade lésbica. Ela apresenta um labrys, uma arma semelhante a um machado usado pelas amazonas gregas.

Bandeira do poliamor

Bandeira do poliamor

Apresentando o símbolo do infinito número Pi, que compartilha a primeira letra de “poliamor”, esta bandeira celebra a seleção infinita de parceiros disponíveis para as pessoas poliamorosas. A carta é dourada para representar o vínculo emocional que temos com os outros como amigos e parceiros românticos, em vez de apenas nossas relações carnais.

Bandeira Intersex

Bandeira Intersex

Projetada em 2013 pela organização Intersex International Australia, esta bandeira apresenta intencionalmente cores sem graça que celebram a vida fora do binário.

Bandeira Transgênero

Bandeira Transgênero

Monica Helms, uma mulher trans, projetou esta bandeira em 1999, e ela foi hasteada pela primeira vez em um desfile do Orgulho em Phoenix um ano depois. “O azul claro é a cor tradicional para meninos bebês, o rosa é para meninas, e o branco no meio é para aqueles que estão em transição, aqueles que sentem que têm um gênero neutro ou nenhum gênero, e aqueles que são intersexuais”, observou Helms. “O padrão é tal que não importa de que maneira você o voe, ele sempre será correto. Isto nos simboliza a tentativa de encontrar a correção em nossas próprias vidas”.

Flag de gênero/bandeira flexível de gênero

Flag de gênero/bandeira flexível de gênero

Abrangendo as flutuações e a flexibilidade de gênero nas pessoas com influência de gênero, a bandeira apresenta cores associadas à feminilidade, masculinidade, e tudo o que está entre elas. O rosa representa a feminilidade. O branco representa a falta de gênero. O roxo representa a combinação de masculinidade e feminilidade. O preto simboliza todos os gêneros, incluindo os terceiros gêneros. O azul reflete a masculinidade.

Bandeira de gênero queer

Bandeira de gênero queer

Criada em 2011 por Marilyn Roxie, a bandeira de gênero queer destaca a androginia com lavanda, as identidades de agendadores com brancos, e os não-binários com verdes. Algumas pessoas se referem a ela como uma bandeira não binária, se sentirem queer é uma calúnia.

Bandeira Lésbica de Batom

Batom Bandeira Lésbica

Se você quer a bandeira do orgulho mais feminino, aqui está ela. Embora não seja um símbolo muito usado, ela celebra as mulheres da comunidade lésbica, amorosamente chamadas de “lésbicas de batom”.

Couro, Látex, & Bandeira BDSM

Couro, Látex, & Bandeira BDSM

Se a comunidade kink deve ser acrescentada na sigla LGBT é um debate acalorado, mas não há como negar que a comunidade tem várias de suas próprias bandeiras. Esta foi desenhada por Tony DeBlase para a celebração internacional do Sr. Leather de Chicago em 1989. Este símbolo não é exclusivamente gay, mas sim para a comunidade de couro e BDSM. A bandeira original está em exposição no Leather Archives and Museum em Chicago.

Bandeira da Irmandade dos Ursos

Bandeira da Irmandade dos Ursos

Embora o The New York Times tenha chamado 2018 de “a idade do galo”, apenas os ursos – como os gays se referem carinhosamente aos caras mais carnudos, mais hirsutistas – têm sua própria bandeira. Craig Byrnes a desenhou em 1995 para a International Bear Brotherhood. Suas cores são para combinar com a pele dos ursos que vivem no bosque.

Bandeira do Orgulho da Borracha

Bandeira do Orgulho da Borracha

Este símbolo é para membros da comunidade de fetiches de borracha e látex e é semelhante ao seu predecessor, a bandeira do Orgulho do couro. Peter Tolos e Scott Moats criaram o design em 1995 “como um meio de identificar homens com as mesmas idéias e [ele] reflete a paixão sensorial, sensual e mental que temos pela borracha”. Eles dizem que a cor preta representa “nossa luxúria pelo visual e sensação de borracha preta brilhante”, o vermelho simboliza “nossa paixão sangrenta pela borracha e pelos homens de borracha”, enquanto o amarelo destaca “nossa vontade de brincar e fantasias intensas com a borracha”. Também apresenta uma dobra literal, por razões óbvias.

Bandeira Polissexual

Bandeira Polissexual

A polissexualidade, ao contrário da pansexualidade, é a atração para múltiplos gêneros, mas não para todos. Um meio termo entre a bissexualidade e a pansexualidade, ela está centrada mais em torno de atrações à feminilidade e à masculinidade do que ao gênero em si. O rosa representa a atração para as mulheres; o azul para os homens. O verde é para uma atração para aqueles que não se conformam a nenhum dos sexos.

Bandeira da ausência de gênero

Bandeira da ausência de gênero

Bandeira das pessoas que rejeitam completamente um gênero. Para sua bandeira, as faixas pretas e brancas representam a ausência de gênero, enquanto que o verde, o inverso do púrpura pesado do gênero, representa os gêneros não binários.

Bandeira sem atração romântica

Bandeira sem atração romântica

Enquanto as bandeiras assexuadas usam roxo para mostrar sua falta de atração sexual, as bandeiras sem romances usam verde para celebrar as pessoas que vivem sem atração romântica.

Bandeira não binária

Bandeira não binária

Criada por Kye Rowan de 17 anos de idade em 2014, esta bandeira foi uma resposta a pessoas não binárias que se sentiam mal representadas pela bandeira de gênero. Este símbolo não era para substituir a criação de Roxie, mas para sentar-se ao lado dela como uma opção. O amarelo simboliza o gênero fora de um binário. O branco, uma mistura de todas as cores, representa aqueles com muitos ou todos os gêneros. O roxo representa aqueles que sentem tanto o binário masculino quanto o binário feminino ou fluido entre eles. O preto é para a comunidade de agenciadores, sem sexualidade ou cor.

Bandeira de Pônei

Bandeira de Pônei

O jogo do pônei é um fetiche distinto onde as pessoas são tratadas como cavalos, usando cascos, orelhas e selas e puxando carrinhos. Carrie P criou esta bandeira em 2007; ela usa o preto em solidariedade com a comunidade de couro em geral.

Bandeira de héteros aliados

Bandeira de héteros aliados

A bandeira equivalente a “Eu apoio pessoas LGBT, mas não sou homo”, faz com que todos se sintam incluídos nas marchas do Orgulho, mesmo que estejam celebrando as sexualidades de outras pessoas.

Fonte: https://www.pride.com/pride/2018/6/13/complete-guide-queer-pride-flags-0#media-gallery-media-25

Deixe uma resposta