Por que seu filho é bom – mesmo quando ele se comporta mal

0
91
filhos

A noção de crianças “boas” e “más” está profundamente enraizada na sociedade. As pessoas podem ser rápidas em nomear traços de personalidade e comportamentos que tornam uma criança “boa” ou “má”. No entanto, esses rótulos geralmente vêm como resultado de adultos não terem compreensão suficiente do desenvolvimento do cérebro, como as crianças processam informações, como aprendem e como comunicam suas emoções.

Crianças percebidas como “boas crianças” e respeitosas tendem a ser mais sensíveis e receptivas, o que as faz ativar respostas como amabilidade e gentileza para tentar apaziguar o pai. As crianças que são percebidas como agindo “ruim”, desrespeitosas, rebeldes ou desafiadoras tendem a exibir comportamentos como ser opinativo, franco e inconformista. Um não é melhor que o outro, são simplesmente maneiras diferentes de as crianças expressarem sua experiência interna.

ENTENDENDO O DESENVOLVIMENTO DO CÉREBRO DE SEU FILHO

O cérebro humano começa a se desenvolver antes do nascimento e não se desenvolve completamente até os 25 anos. A amígdala, que ajuda as pessoas a entender o impacto de suas ações, é a última parte do cérebro a se desenvolver. Enquanto isso, do nascimento aos cinco anos, o cérebro está desenvolvendo tudo, desde o processamento sensorial até o pensamento racional. A capacidade de uma criança para um pensamento mais complexo não se desenvolve até entre as idades de 12 a 18 anos. Se parece que seu filho não consegue pensar racionalmente, é literalmente porque seu cérebro pode não estar equipado para isso ainda.

RESPOSTAS DE PROTEÇÃO DE LUTA/VOO

Outro fator que pode afetar o raciocínio do seu filho é quando, como o Dr. Daniel Siegel chama, ele “vira a tampa”. É quando as emoções do seu filho ou adolescente ficam tão avassaladoras que perdem o acesso à parte frontal do cérebro e não conseguem pensar ou agir com clareza. Nesses momentos, é comum que as crianças chutem, gritem, fiquem inquietas e inquietas, joguem coisas, congelem, argumentem ou até mesmo tenham dificuldade em formar uma frase ou pensamento coerente. A melhor coisa a fazer quando isso acontece é fazer uma pausa, fazer uma pausa e deixar o cérebro se envolver em outras atividades para que o cérebro racional do seu filho possa voltar a ficar online.

É muito mais fácil ter compaixão e estar mais aberto a encontrar soluções quando você entende que seu filho não está sendo difícil. Em vez disso, eles estão passando por momentos difíceis e emoções avassaladoras.

MESMO NOS MOMENTOS MAIS DIFÍCEIS, O QUE SEU FILHO MAIS QUER É CONEXÃO

Mesmo que não pareça no momento, o que uma criança mais quer é amor e conexão. Pode ser difícil para seu filho se sentir conectado a você quando se sente incompreendido ou não ouvido. É por isso que ver o que há de bom em seu filho, especialmente em seus momentos difíceis, pode ser útil para domar emoções difíceis.

Escute com atenção

Ouça seus filhos com a intenção de entender, não com a intenção de responder. As crianças tendem a se sentir frustradas quando percebem que você não está sintonizado com o que elas estão dizendo. Uma criança que não se sente ouvida pode levantar a voz na esperança de que os pais a ouçam. Esta é uma resposta intuitiva, não consciente.

Reflita de volta o que eles disseram

Explique ao seu filho o que você entendeu. Quando você reflete o que eles disseram, você mostra a eles duas coisas. 1) você está realmente ouvindo. 2) Você entende o ponto e a experiência deles, mesmo quando não concorda com eles.

Valide sua experiência

As pessoas querem saber que suas emoções fazem sentido, e seus filhos não são diferentes. Deixe-os saber que faz sentido se sentir do jeito que eles se sentem e que está tudo bem para eles sentirem o que estão sentindo.

Reafirme seu amor por eles

É importante que as crianças saibam que, mesmo nos momentos mais difíceis, elas são amadas. Quando as crianças sabem que são amadas, não importa o que aconteça, isso lhes dá uma sensação de segurança e conexão incondicional. Quando as crianças valorizam a conexão que têm com os pais, são mais propensas a fazer tentativas de reparação e comunicação saudável.

Modele o comportamento que você quer que seu filho aprenda

Se você pedir ao seu filho para se comunicar usando suas palavras enquanto você estiver gritando com ele, você está modelando o comportamento indesejado. Aprenda a modelar a maneira pela qual você quer que seu filho se comunique com você. Quanto mais eles virem e experimentarem, mais fácil será para eles aprenderem.

Avalie este post

Deixe uma resposta