Qualquer coisa por um beijo

0
57
beijo

Naly saiu de casa de manhã cedo. Ela gostava de ver o nascer do sol e estar preparada para qualquer contratempo. Como costumava fazer, viu a aurora brilhar com todo o seu esplendor antes de partir em busca de uma aventura.

Desde que se formou na academia de cavaleiros, com uma condecoração que poucos poderiam alcançar, sua vida girou em torno do heroísmo. Suas necessidades básicas eram simples demais para ela — defender os inocentes, por outro lado, foi o que Sir Naly veio ao mundo fazer.

Sua armadura de prata teve que ser especialmente modificada para se adequar ao seu tipo de corpo. Apesar de seu prestígio, era difícil para Naly ser mulher em um mundo de homens. O serralheiro se opunha a fazer as modificações, mas sempre encontrava uma maneira de fazer as coisas funcionarem do seu jeito.

Hoje foi apenas mais um dia. Os prados estavam vazios e as pessoas estavam seguras em suas casas. Naly montou seu fiel corcel para o sol nascente. Ela cautelosamente patrulhou as trilhas até chegar à escuridão da floresta.

Vários relatos de bandidos na área chamaram sua atenção. Todos os habitantes da cidade falavam deles escondidos nas sombras da floresta. Naly decidiu ficar escondida na floresta até encontrá-los.

Pouco antes de chegar à estrada principal, ela amarrou seu cavalo à sombra de uma árvore. O garanhão branco não perdeu tempo e começou a comer a grama molhada. Naly decidiu se juntar a ele, tirando um pouco de comida desidratada de sua bolsa.

Pouco depois de entrar na floresta, Naly ouviu vozes ao longe. Sem perder tempo, ela encontrou um caminho que leva diretamente a ela.

Assim que ela chegou…

“Bom dia,” Naly disse depois que ela estava perto o suficiente de quatro homens ao redor de uma donzela. Outro homem estava atrás da carruagem, de frente para um velho. “Boa manhã, certo?”

Trarko, um dos homens que cercavam a donzela, dirigiu-se a Naly. “Isso é com você, linda!”

Naly se sentiu ofendida pela observação. “Eu sou um dos cavaleiros do rei”, disse ela.

“Essa armadura diz o contrário”, disse Trarko, rindo.

Os outros homens presentes também começaram a rir. “Suas curvas são mais pronunciadas que as desta donzela”, disse Pelhe.

“Eu imploro,” disse Naly, “não se atreva a insultar a honra de um cavaleiro.”

“O que você vai fazer, linda?” Trarko perguntou, aproximando-se de Naly.

O movimento era quase imperceptível. Naly puxou sua espada. Quando ela parou, ela estava com o braço esticado na frente dela.

Eles ficaram em silêncio, esperando. Ansioso para saber o que havia acontecido, o braço de Trarko caiu no chão.

Os gritos desenfreados do homem ferido fizeram Naly recuar. Ela segurou sua espada em uma posição de ataque. “Alguém mais tem uma observação inteligente sobre minha honra,” ela disse, empurrando Trarko para longe de seu caminho com o pé.

“Você está louco!” Pelhe disse e desembainhou a espada. O resto dos homens também se preparou para lutar. “Você não tem ideia do que vamos fazer com você.”

Naly mal podia esperar para começar a batalha, então ela correu em direção a eles. Enquanto os homens armados a esperavam. Ela parou e desviou um de seus ataques com sua espada, então recuou para se defender contra outro atacante.

“Vejo que você está ansioso para se divertir”, disse Pelhe, cercando-a com seus companheiros.

“Você tem uma chance de desistir,” Naly disse, dando um passo para trás para evitar ser cercada.

“Você deve estar brincando?” Adrame disse com um sorriso. “Você vai se sentir melhor quando terminarmos com você.”

“Você foi avisado…” Naly disse, antes de atacar.

Adrame evitou o primeiro ataque, então sentiu o ombro de Naly bater em seu peito. Pelhe recebeu uma cotovelada na cabeça, seguida de um corte do metal frio de sua espada em seu torso.

Naly conseguiu desviar o ataque de Milko com sua espada. Pelhe deu um golpe de sua espada contra a armadura traseira de Naly, fazendo com que ela empurrasse Milko e o empalasse com a espada.

Pelhe olhou para Adrame ao seu lado.

Naly fingiu atacar novamente, mas recuou quando os dois homens se aproximaram dela. “Tem certeza de que deseja continuar com isso?” ela perguntou

Adrame avançou, erguendo sua espada, deixando o movimento de seu braço conduzir o movimento. Era óbvio para ele que a mulher blindada não seria capaz de se defender contra dois ataques simultâneos. Pelhe também atacou quando viu o parceiro.

Naly girou com o pé direito para se defender do ataque de Adrame e colocá-lo entre ela e Pelhe. Ela imediatamente usou sua espada novamente para cortar a pele das costas de Adrame enquanto Pelhe observava perplexo.

“Você é o único que restou, garoto,” disse Naly. “Eu vou permitir que você defenda minha honra.”

“Sinto muito, cavaleiro do rei”, disse Pelhe, ajoelhando-se.

Naly aceitou a demonstração de respeito. “Solte sua espada e levante-se. Você tem uma nova chance de viver, aproveite.”

Pelhe largou a espada e correu, enquanto Naly embainhava a sua.

Naly se aproximou do velho e da donzela, ambos pareciam surpresos. “Sinto muito por ter me comportado dessa maneira com seus amigos”, disse ela, uma vez que parou perto deles.

“Eles eram bandidos”, disse a donzela, Celestine. “Você nos salvou.”

Naly sentiu os braços finos de Celestine em volta do pescoço.

“Estou disposta a fazer qualquer coisa”, disse Celestine, “mas exijo que você seja minha escolta.”

“Estou lisonjeada,” disse Naly, enquanto Celestine continuava pendurada em seu pescoço, “mas meu serviço é para o rei.”

Celestine plantou os dedos dos pés no chão e voltou para olhar os olhos azuis de Naly. Ela então beijou os lábios do cavaleiro.

Naly ficou surpresa ao sentir os lábios da donzela contra os seus.

“Eu farei qualquer coisa”, disse Celestine, dando um passo para trás.

Fonte: https://hisparadise.com/anything-for-a-kiss/

Avalie este post

Deixe uma resposta