O astro do futebol Thomas Beattie saiu do armário em uma nova entrevista bem a tempo de se orgulhar.

O ex-jogador profissional disse a ESPN que ele passou anos de sua carreira se sentindo vazio e isolado, mesmo quando sua equipe obteve vitórias importantes ao longo dos anos.

“Geralmente sou super social, mas estava me tornando anti-social para evitar cenários que pudessem me expor”, lembra ele. “Esse foi um padrão que também me levou ao mundo inteiro. Deitei na minha cama e olhei para o teto, me sentindo o rapaz mais solitário do mundo. Lágrimas brotaram; uma inundação paralisante de emoções me envolveu. Meu corpo inteiro estava queimando; meus braços formigavam e meu coração disparava, como mil batidas por minuto. Rezei para acordar e tudo isso desaparecer, embora no fundo eu soubesse que estava rezando pela coisa errada.”

“Eu precisava pedir forças para me aceitar”, ele percebeu.

Cinco anos em sua carreira, Beattie finalmente fez exatamente isso. “Meu nome é Thomas Beattie”, declara. “Sou irmão, filho, amigo, ex-jogador profissional de futebol, empresário e rapaz irritantemente competitivo. Eu sou muitas coisas, e uma delas é gay.”

Beattie também continua explicando por que ele sentiu que nunca seria possível sair, mesmo em uma era de celebridades LGBTQ+ proeminentes. “Ser gay e ter uma carreira no futebol nunca pareceu uma opção”, confessa. “A sociedade me disse que minha masculinidade estava ligada à minha sexualidade – algo que sabemos, é claro, é uma suposição falsa – mas eu senti como se não pudesse ser jogador de futebol e aceitar quem eu era. Tudo ao meu redor sugeria que esses dois mundos eram inimigos puros, e eu tive que sacrificar um para sobreviver. Não parece assim em outros setores. Na música, amamos Freddie Mercury e Elton John. É aceito no filme. Tim Cook, o CEO da Apple, é gay, e tudo está bem.”

“Mas no futebol”, acrescenta, “ainda há medo de que um companheiro de equipe gay possa atrapalhar o ambiente da equipe”. Beattie, em seguida, descreve o clima homofóbico dos vestiários e como a vida como uma única estrela do atletismo cria pressões indevidas até o momento sob os holofotes do público.

Por fim, Beattie quer que outros atletas fechados saibam que não estão sozinhos e pede compaixão e aceitação por parte do resto do mundo atlético. “Espero que com o tempo essas coisas não precisem mais ser mencionadas”, diz Beattie. “Sei que, para chegar a esse ponto, ainda há muito trabalho a ser feito. Mas eu adoraria fazer parte dessa conversa e me sentar à mesa.”

Bem-vindo à família, Thomas.

Fonte: www.queerty.com

Deixe uma resposta