Femme

A fim de priorizar as vozes femininas, todas as citações neste artigo são de mulheres.

A posicionalidade faz uma grande diferença na identidade das mulheres: Por favor, note que sou uma mulher cisgênero, branca, magra, milenar, de uma classe média-alta, formalmente treinada como psicoterapeuta.

Você já se perguntou se você é uma mulher? Você já anda circulando em torno da identidade feminina por algum tempo sem saber se ela se encaixa? Você não tem certeza se você pode se chamar de femme? Talvez você já tenha ouvido cada vez mais “femme” e esteja curioso sobre isso?

Femme é uma bela e complexa identidade. O que ela parece, significa e engloba é diferente para cada um de nós. Tenho certeza de que para muitas mulheres há um senso de resistência na minha tentativa de categorizar a identidade aqui. Não quero insinuar que ser mulher cabe em uma caixa específica! Na verdade, o oposto é verdadeiro. Femme tem tudo a ver com pisar fora da feminilidade tradicional. Spoiler! Eu estou me adiantando.

Ao contrário, este artigo pretende esclarecer amplamente a identidade feminina, explorando seus temas comuns. Como o termo “femme” se torna mais conhecido do que nunca, é útil distinguir o que não é, e o que é (sou terapeuta; estou escolhendo não terminar com uma nota negativa). Quer você o compartilhe como um recurso para iniciar uma conversa mais matizada em sua comunidade ou espere até que ninguém esteja por perto para vê-lo explorar secretamente a magia da essência feminina, este artigo é para qualquer um que não tenha certeza de como se relaciona com ela. Que você seja uma femme bebê em formação!

O que não é…

Uma Identidade Reta

Nem todas as mulheres identificadas como estranhas concordam com isso, mas muitas, incluindo eu mesma, sentem fortemente que a mulher é uma identidade estranha. Portanto, ser heterossexual e chamar-se femme é apropriado. . Isto porque, ao fazê-lo, apaga a história das mulheres nos movimentos de libertação queer e sua identidade política no que se refere à heteronormatividade, e perpetua a invisibilidade feminina para aqueles que são identificados como queer (Barrett-Ibarria, 2017). Em referência à invisibilidade feminina, Alaina Monts afirma “…Eu acho que muito dela tem que ser feito menos com qualquer tipo de apagamento intencional de mulheres em comunidades queer (embora isso seja extremamente prevalecente), e muito mais com o fato de que é uma identidade sendo cooptada por pessoas que não são estranhas… Parte de mim se pergunta se a invisibilidade feminina tem menos a ver com o fato de estarmos enganados como heterossexuais e mais com o fato de pessoas heterossexuais tentarem ser nós” (Monts, como citado em Chung, 2016).

“É possível que a ressonância da mulher seja em parte devido ao nosso clima político atual, e a resistência que ela representa à toxicidade da masculinidade” (Barrett-Ibarria, 2017). É importante notar que, apesar de sua maior relevância política atual, a fêmea não é uma tendência. Sua história remonta aos anos 30 dentro da cultura queer de bola colorida (Buchanan, 2018). Identificar como femme, enquanto que a heterossexualidade descarta seu significado histórico, político e cultural.

Sinônimo de Feminilidade

Embora a mulher e a feminilidade estejam intimamente relacionadas, elas não são intercambiáveis. Feminilidade refere-se à idéia socialmente construída do que é feminino e não é necessariamente queer, enquanto que femme é, em certo sentido, o queer da feminilidade – não apenas identificando-se como queer, como já discuti, mas a encarnação e o abraço da queernidade no sentido pleno da palavra. Esta diferenciação chave é o porquê de ser tão importante para a mulher estar por conta própria (Tonic, 2016).

Como esclarece Cassie Donish, “O termo ‘femme’ não significa simplesmente ‘feminino’; ele é usado em círculos queer para designar feminilidade queer, de uma forma que muitas vezes é autoconsciente e subversiva”. É ao mesmo tempo uma celebração e uma refiguração da feminilidade” (Donish, 2017).

“Eu vejo a mulher como a filha adolescente rebelde da feminilidade”, distingue Chung. “Femme é o processo de pegar as palavras femininas que foram colocadas em meu corpo, palavras como ‘suave, fraco, quieto’ e transformá-las em: ‘selvagem, alto, confiante’… Quando terminei com a feminilidade e abracei a femme, senti-me forte, confiante e poderosa…” (Chung, 2016).

Toda Mulher Queer Feminina-Apresentadora

As mulheres auto-identificadas e as mulheres feminina-presentantes queer são todas pessoas feminizadas e, como tal, experiência sendo desvalorizada em nossa sociedade patriarcal (Buchanan, 2018). Dito isto, nem todas as mulheres feminina-presentantes queer se identificam como mulheres. Madeleine disse: “Qualquer pessoa que seja feminina/feminina não é necessariamente uma mulher. Femme é uma identidade; feminino e feminino são descritores” (Urquhart, 2015).

O termo femme pode ser usado vagamente sem entender como alguém se auto-identifica. Há valor tanto em alguém que reivindica uma identidade feminina, quanto em alguém que não a reivindica. Não se pode assumir que uma mulher bicha é mulher porque elas são assumidas como feminina-presentantes.

…E o que é Femme!

Queer

É sim!

“…Entre a comunidade LGBTQ+, femme é um descritor que pode se sentir tão inerente à identidade de alguém como lésbica, bissexual ou sexista”, escreve Kasandra Brabaw (Brabaw, 2018). As mulheres podem ter qualquer identidade de gênero; algumas consideram a mulher como sua identidade de gênero, enquanto outras mulheres podem ter uma identidade de gênero diferente (tais como transwoman, nonbinary, cis-woman, genderfluid, agender, etc.) e consideram a mulher como sua expressão de gênero (a “feminilidade” se alinha com a expressão de gênero na medida em que engloba comportamentos, maneirismos, aparência, etc. dentro de um determinado contexto cultural).

Além disso, há femmebois, tomboy femmes, femme daddys, femme dykes, etc. que usam a linguagem para descrever sua identidade feminina ainda mais precisamente. Outras mulheres rejeitam estas categorizações completamente. “Em última análise, ‘femme’ é sobre quebrar binários. Trata-se de subverter as expectativas culturais. Trata-se de ser mais de uma coisa. Trata-se de ser uma coisa mais”, resume Tonic.

Uma Relação Intencional com Sua Feminilidade

Muitas mulheres consideram sua identidade como uma expressão intencional de sua feminilidade, em oposição a uma que adere às restrições típicas do desempenho feminino. Ao contrário, as mulheres celebram de forma criativa e única as partes de si mesmas que de outra forma seriam suprimidas, negadas ou definidas para elas. “Enquanto existirem papéis normativos de gênero, haverá uma necessidade urgente de que as pessoas, inclusive as mulheres, empurrem para seus limites”, escreve Heather Berg, professora de Estudos de Gênero na USC (Barrett-Ibarria, 2017).

A relação das mulheres com a feminilidade é de recuperação e transcendência. É uma questão de agência. O objetivo de [ser mulher], para mim”, afirma Cassie, “é afastar as pessoas de suas suposições”. Não gosto das regras rígidas da feminilidade tradicional, mas não quero que isso signifique que não posso ser feminina de forma alguma” (Urquhart, 2015).

A expressão de feminilidade da Femme pode ser tanto feroz e dura quanto terna e suave e tudo o que está entre eles. Muitas vezes ela desafia noções maiores que equiparam a feminilidade à vulnerabilidade e a vulnerabilidade à fraqueza. “Nossa cultura odeia a feminilidade, chama-a de fraca. Nossa cultura é inepta em cuidar e nutrir, aterrorizada com a vulnerabilidade e a suavidade – todas as coisas que estão diretamente na bolsa da mulher. Ceder à cultura feminina é realmente ser corajoso e ter força”, afirma Maurice Tracy (Donish, 2017).

Sua própria identidade

Hoje a femme é orgulhosamente uma identidade que não está definida em relação a nada mais. “Eu não me identifiquei como mulher até conhecer outras pessoas estranhas que me ajudaram a ver que a mulher é sua própria identidade”, afirma Artemisia FemmeCock. “Femme é intencional; é uma forma de simultaneamente desafiar e celebrar a feminilidade”. Ela reconhece que me identifico com aspectos da feminilidade, mas não me identifico com o sistema heteronormativo que os trivializa e os demoniza” (Donish, 2017).

A feminilidade é frequentemente definida em relação à masculinidade e posicionada como seu oposto, enquanto as mulheres não se veem dentro deste binário. Femme empurra para trás as ideias misóginas de que as pessoas feminizadas são definidas através de uma lente patriarcal ou de um olhar masculino. Femme é gloriosa por si só.

Único para cada pessoa

“Desde a invisibilidade que as mulheres podem sentir em alguns círculos lésbicos até a forte vulnerabilidade inerente a ser uma mulher trans, não há dois indivíduos identificados como mulheres que compartilhem a mesma experiência do que significa ser mulher”, diz Joss Barton (Donish, 2017).

Para muitas mulheres, sua identidade abrange mais do que sua sexualidade e gênero. É a totalidade de sua linhagem existente em uma sociedade capitalista, branca e supremacista. A identidade feminina está freqüentemente fortemente ligada à classe devido a seu significativo contexto histórico como uma identidade lésbica da classe trabalhadora nos anos 50 e 60. Leah Lakshmi Piepzna-Samarasinha disse:

O ableísmo eleva um corpo branco, de classe média, tradicionalmente feminino, como a forma “certa” de ser mulher. Por causa da capacidade nos movimentos dos quais faço parte, levei anos para encontrar uma comunidade de justiça para deficientes onde eu não precisasse fechar minha deficiência para ainda ser mulher. Minha bengala, minhas botas sexy sem salto e minha vida de cama são agora mulheres por causa do trabalho dos camaradas da justiça com deficiência. Muitas delas, como Patty Berne dos Pecados Inválidos, são profundamente femininas (Pérez, 2014).

Como Macarena Gomez-Barris, presidente do departamento de Ciências Sociais e Estudos Culturais do Instituto Pratt explica, “Em algumas comunidades, a identidade feminina também simboliza uma rejeição da brancura, um termo usado para representar a feminilidade descolonizada” (Barrett-Ibarria, 2017).

De fato, a estudiosa negra Kimberlé Crenshaw cunhou o termo “interseccionalidade” em 1989. “Interseccionalidade é uma ferramenta para as experiências das mulheres negras que são “maiores do que a soma de racismo e sexismo” (Crenshaw, 1989, p. 140).

Naturalmente, há também as relações entre as mulheres, o sexo e a estética. Uma mulher pode ser uma monogâmica perversa que só namora com outras mulheres; outra pode ser pansexual e poliamorosa. Uma mulher pode se sentir fortemente contra a barba, enquanto outra pode se sentir fortemente contra ela. Uma fêmea pode se recusar a sair de casa sem maquiagem e cabelos em perfeita ordem, outra pode ser ambivalente em relação ao brilho (ofegante!).

Como diz Laura Lune P., “Eu gostaria pelo mito de que a fêmea parece ser esmagada apenas de uma maneira”. Femme não significa apenas lábios vermelhos, saltos altos do céu e unhas perfeitamente manchadas (embora isso possa significar muito certamente). Femme significa o que você quiser que signifique para si mesmo e como você quiser que pareça se esse gênero lhe parecer a casa” (Pérez, 2014).

Referências

Are you Femme? What Femme Isn’t and What it is.
https://affirmativecouch.com/are-you-femme-what-femme-isnt-and-what-it-is/

Barrett-Ibarria, S. (2017, 20 de dezembro). Quem se identifica como ‘Femme’? de https://www.vice.com/en_us/article/xw4dyq/who-gets-to-identify-as-femme

Brabaw, K. (2018, 20 de junho). Uma Breve História da Palavra “Femme”. Obtido em https://www.refinery29.com/en-us/femme-lesbian-lgbtq-history

Buchanan, B. (2018, 19 de março). Mulheres e mulheres unidas! – Blu Buchanan – Médio. Obtido em https://medium.com/@BlaQSociologista/mulheres e mulheres-unite-30ec59e6a658

Chung, C. (2016, 18 de julho). O que queremos dizer quando dizemos “Femme”: Uma Mesa Redonda. Obtido em https://www.autostraddle.com/what-we-mean-when-we-say-femme-a-roundtable-341842/

Crenshaw, Kimberle. “Desmarginalizando a Intersecção de Raça e Sexo”: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics”, University of Chicago Legal Forum: Vol. 1989: Edição. 1, Artigo 8. Disponível em: http://chicagounbound.uchicago.edu/uclf/vol1989/iss1/8

Donish, C. (2017, 04 de dezembro). Five Queer People on What ‘Femme’ Signans to Them. Obtido em https://www.vice.com/en_us/article/d3x8m7/five-queer-people-on-what-femme-means-to-them

Pérez, M. (2014, 3 de dezembro). Femmes of Color Sound Off. Obtido em https://www.colorlines.com/articles/femmes-color-sound

Tonic, G. (2016, 24 de agosto). A diferença entre Femme & Being Feminine. Obtido em https://www.bustle.com/articles/166081-what-does-femme-mean-the-difference-between-being-femme-being-feminine

Urquhart, E. (2015, 12 de março). Não é a lésbica feminina de sua tia-avó. O que significa “Femme Today”? Obtido em https://slate.com/human-interest/2015/03/femme-lesbians-shouldnt-be-defined-by-their-butches.html

Deixe uma resposta