Você está perdendo você no relacionamento? Emaranhado, Desapego e Diferenciação

0
139
homem

Você se identifica com um dos dois cenários abaixo para você ou seu parceiro?

Cenário 1:
“Ela nunca me entende. No passado, também, ninguém me entendia.”
“Ninguém nunca me deu atenção.”
“Ele não fala comigo há dias. Mesmo quando ele não me trata bem, continuo cuidando dele.”
“Posso fazer qualquer coisa por ela, mas quando não recebo atenção, fico possessivo.”
“Eles nunca reconhecem meu esforço. Sempre aconteceu comigo”.
“Um dia, eles vão me entender e me apreciar.”

Cenário 2:
“Eu consigo me virar sozinho. É a minha zona de conforto.”
“Não sou uma pessoa romântica.”
“Não preciso de nenhum apoio. Então, eu não peço apoio.”
“Não gosto de argumentos. Eu fico quieto.”
“Sou casado com o meu trabalho.”
“Perco minha liberdade no relacionamento. Prefiro ficar sozinho.”

ENMESHMENT: ‘EU EXISTO PORQUE VOCÊ EXISTE’

O cenário 1 retrata o emaranhamento. Um indivíduo enredado carece de identidade emocional. Eles geralmente começam suas frases com “nós”. Eles estão excessivamente focados nos sentimentos/problemas do parceiro. É desafiador estar neste lugar porque faz com que a pessoa se sinta carente e frustrada, pois as emoções/ações dos outros não estão sob seu controle e, com o tempo, podem torná-los emocionalmente frágeis. Eles temem se mover em direção à autonomia, pois abrigam dúvidas profundas e buscam validação para promover a autoestima. Isso leva a culpar a si mesmo ou aos outros, estar presente desinteressadamente e funcionar demais como parceiro, o que apenas reforça o enredamento. A dependência emocional aumenta a vulnerabilidade, e quanto mais não for correspondida pode levar à ansiedade e à depressão.

DESTAQUE: ‘SINTO-ME SEGURO QUANDO ESTOU LIVRE’

O cenário 2 representa os indivíduos destacados na extremidade oposta do espectro. Eles são focados, motivados por conquistas e rígidos em limites emocionais. Principalmente notado como uma pessoa workaholic, atenciosa e amigável. No entanto, seu parceiro os chamaria de “emocionalmente indisponíveis”. Parece que as emoções não os afetam. Quase parece que eles estão temporariamente envolvidos com todos, incluindo estranhos, mas estão emocionalmente ausentes de seus parceiros. Normalmente, eles se sentem solitários, como se ninguém os conhecesse verdadeiramente, que eles estão lá para todos, mas ninguém está lá para eles. Eles são bons ouvintes, mas raramente se compartilham e mantêm uma distância emocional com seus parceiros para evitar rejeição e dor.

EQUILÍBRIO DISFUNCIONAL

Em um relacionamento desvinculado enredado, o parceiro enredado busca continuamente uma conexão emocional, e o parceiro desapegado está constantemente se distanciando. Quanto mais o parceiro emaranhado tenta, mais o outro evita. Se pensarmos nos espaços individuais e de relacionamento como dois aspectos essenciais de uma pessoa, não há um equilíbrio saudável de 50-50 entre os dois. O primeiro parceiro está mais no espaço de relacionamento, enquanto o segundo parceiro está mais contente na área individual.

Ambos acham difícil dar-receber apoio emocional, mantendo suficientemente a individualidade. Em vez disso, os casais se concentram nas falhas um do outro e na mudança de parceiro. Eles acreditam que sua abordagem é normal e, portanto, resistem à automudança. Com o tempo, eles evitam falar e se estabelecem em um equilíbrio disfuncional. O parceiro emaranhado superfunciona emocionalmente para o outro, mas individualmente subfunciona, enquanto o parceiro desapegado se contenta com o oposto. Os casais geralmente desconhecem esse padrão e acreditam honestamente que estão dando o melhor de si para o relacionamento. No entanto, apesar de suas boas intenções, eles experimentam sofrimento emocional enquanto mantêm a harmonia superficial. Embora a estabilidade disfuncional infunda paz temporária, ela limita viver um relacionamento e uma vida inteira.

O status quo do equilíbrio doentio não dura para sempre. Haverá momentos em que o equilíbrio estará ameaçado. Estes podem ser eventos que mudam a vida, como paternidade, desemprego, perda de um dos pais, condições de saúde física ou mental, como doença ou depressão, etc., que revelam as tensões ocultas. Normalmente, quando um deles se sente vulnerável, as feridas se abrem. Embora a estabilidade disfuncional infunda paz temporária, ela limita viver um relacionamento e uma vida inteira.

DIFERENCIAÇÃO: EU RESPEITO VOCÊ, EU E NÓS

Se uma extremidade do espectro é enredamento e o outro extremo é desapego, a diferenciação está no meio do caminho. O pioneiro da terapia familiar Murrary Bowen descreveu a diferenciação como um processo evolutivo alimentado por duas forças de equilíbrio – a necessidade de pertencimento e separação. A diferenciação refere-se a como um indivíduo pode se delinear enquanto está em contato com os sentimentos. Uma pessoa diferenciada aceita e discerne pensamentos e emoções igualmente, gerencia a reatividade e faz escolhas significativas, consciente de como elas afetam os outros. Cuidam de si e estendem o cuidado aos outros.

RESTAURAR O EQUILÍBRIO FUNCIONAL

Dependendo do nível dos padrões, da duração do relacionamento e da gravidade da circunstância angustiante que rompe o equilíbrio disfuncional, o restabelecimento do equilíbrio precisa de tempo e ajuda. Aqui estão algumas dicas para avançar em direção à estabilidade funcional.

Regular a emoção

Drs. John e Julie Gottman sugerem que aprender sobre emoções acontece melhor no meio de experimentá-las. Quando você ou seu parceiro estiver passando por um estado emocional, (1) ouça, entenda e tenha empatia com as emoções do seu parceiro sem se concentrar prematuramente em soluções; (2) validar e normalizar os sentimentos com experiências passadas; (3) mostrar aceitação dos sentimentos e saber que não há problema em se sentir assim; (4) dar garantia ao próprio/parceiro que passará e buscar/fornecer apoio; e (5) permitir que eles próprios cheguem à sua própria solução.

Defina limites emocionais

Torne-se consciente de seus limites emocionais. Você não possui a responsabilidade de fazer seu parceiro se sentir bem. Respirem juntos e não fiquem sobrecarregados pelo estado emocional do seu parceiro. Seu parceiro pode resolver seus sentimentos por conta própria. Tudo o que eles precisam é de sua escuta e compreensão. Confie que eles podem trabalhar com esse estado e permitir espaço emocional para resolver seus problemas.

Construa sua identidade

Dê tempo a si mesmo para entender suas crenças, valores, sentimentos e tomar consciência de quem você é. Defina-se estabelecendo limites, aceitando-se e respeitando-se, praticando a autorregulação e mantendo-se conectado. Expresse, compartilhe e esteja presente com seu parceiro. Alinhe seus objetivos com um propósito alinhado com seus valores e trabalhe para isso.

Um equilíbrio funcional envolve os parceiros construindo um espaço individual saudável, pertencimento no espaço de relacionamento e mantendo a comunicação aberta.

Fonte: https://www.gottman.com/blog/are-you-losing-you-in-the-relationship-enmeshment-detachment-and-differentiation/

5/5 - (1 voto)

Deixe uma resposta